​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​

 

 

Comemorações do 361.º Aniversário da Batalha das Linhas de Elvashttp://www.exercito.pt/pt/informação-pública/eventos/280Comemorações do 361.º Aniversário da Batalha das Linhas de Elvas14/01/2020 10:00:00Comemorações do 361.º Aniversário da Batalha das Linhas de Elvas<img alt="" src="https://assets.exercito.pt/SiteAssets/GabCEME/RCRPP/Fotos_Eventos/linhaselvas_2020_1.jpg" style="BORDER:0px solid;" />Primeira grande vitória militar dos portugueses sobre os castelhanos, contribuindo decisivamente para a Restauração da Inde­pendência de Portugal.<p>​<img src="https://assets.exercito.pt/SiteAssets/GabCEME/RCRPP/Fotos_Eventos/linhaselvas_2020_1.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="https://assets.exercito.pt/SiteAssets/GabCEME/RCRPP/Fotos_Eventos/linhaselvas_2020_2.jpg" alt="" style="margin:5px;" /></p><p style="text-align:justify;">Em dezembro de 1658 um exército espanhol, com cerca de vinte mil homens, coman­dado por D. Luís de Haro, cercou a praça de Elvas, defendida pelo seu governador D. Sancho Manuel de Vilhena.</p><p style="text-align:justify;">O governador de Elvas, ao ver que aquela praça estava em perigo, pediu socorros ur­gentes e, a 11 de janeiro de 1659, o Conde de Cantanhede, D. António Luís de Mene­ses (mais tarde marquês de Marialva), reuniu em Estremoz um exército de socorro, que saiu daquela localidade levando como mestre de campo o General André de Albuquer­que Ribafria.</p><p style="text-align:justify;">O exército saído de Estremoz, com cerca de 11.000 soldados, ocupou posições perto de Elvas e, no dia 14 desse mês, investiu sobre as linhas de cerco espanholas que há três meses isolavam Elvas do resto do território nacional. </p><p style="text-align:justify;">O ataque português rompeu as linhas espanholas e pulverizou o exército espanhol de D. Luís de Haro, que deixou no terreno mais de 2.000 mortos e alguns milhares de pri­sioneiros. As baixas portuguesas reduziram-se a 200 mortos e a algumas centenas de feridos. </p><p style="text-align:justify;">Tudo mudou com a antevisão da Paz dos Pirenéus entre a França e a Espanha (1659). Desde que em 1640 se aclamara em Lisboa a restauração do Reino, a Batalha das Li­nhas de Elvas foi a primeira grande contenda da Guerra da Restauração na sequência do fracassado assédio português a Badajoz e da consequente réplica espanhola (cerco da cidade de Elvas). </p><p style="text-align:justify;">Foi o primeiro grande choque de armas, uma prova de força que pressagiava a inde­pendência futura de Portugal, já que na raia a luta pela independência quase se limitara a uma guerra de usura onde dominavam as operações de desgaste do adversário, as razias e os reconhecimentos armados. </p><p style="text-align:justify;">Três batalhas - Elvas (1659), Ameixial (1663) e Montes Claros (1665) - decidirão a con­tenda a favor de Portugal. </p><p style="text-align:justify;">Elvas, foi uma estrondosa vitória portuguesa, que pressagiava os fastos nacionais na conflagração.</p><p style="text-align:justify;"> </p><p style="text-align:justify;"> </p>

Exército Portugues
Iremos até onde a Pátria for,
e seja em paz,
ou seja em guerra,
que este clamor
vibre imortal,
de mar em mar,
de serra em serra:
Portugal! Portugal! Portugal! 

Hino do Exército, 1945,
Letra de Adolfo S. Muller
� Ex�rcito Portugu�s 2016