​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​

 

 

 

BrigInthttps://www.exercito.pt/pt/quem-somos/organizacao/ceme/cft/brigint/ra5/BrigIntBrigIntBrigIntRegimento de Artilharia Nº 5<a href="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Comandante/biografiacmdtmartins1.pdf"><img alt="" src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Comandante/cormartins.png" style="BORDER:0px solid;" /></a>COMANDANTE <br> Coronel <br> Dias Martins<img alt="" src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/SMor/smorpng.png" style="BORDER:0px solid;" />ADJUNTO <br> Sargento-Mor <br> Correia Carpinteiro<a href="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Brasao_RA5/heraldicara5.pdf"><img alt="" src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Brasao_RA5/brazaoRA5%20182x226.png" width="180" style="BORDER:0px solid;" /></a><h3>​​MISSÃO:<br></h3><p> </p><p style="text-align:justify;">O Regimento de Artilharia Nº 5 (RA5) apronta o Grupo de Artilharia de Campanha 15,5 Rebocado do Comando da Brigada de Intervenção e a Companhia de Sistemas de Vigilância do Agrupamento de Informações, Vigilância, Aquisição de Objetivos e Reconhecimento.</p><br><h3>RESENHA HISTÓRICA</h3><p> </p><p style="text-align:justify;">O Plano para a Organização da Arma de Artilharia de 1877 estabelece que, em tempo de guerra, organizar-se-á um Regimento de Artilharia de Montanha, que terá o n.º 5 e como núcleo as duas baterias de montanha do então Regimento de Artilharia Nº 2 (RA2) sedeado em Lisboa. No ano seguinte, essas baterias formam um corpo independente denominado Brigada de Artilharia de Montanha.</p><p style="text-align:justify;"><br>Porém, a organização do primeiro Regimento de Artilharia Nº 5 (RA5) (artilharia de guarnição) teve lugar em Elvas, em 1884, tendo por base o RA2 aí sedeado e dissolvido.</p><p style="text-align:justify;"><br>Em 1889, a Brigada de Artilharia de Montanha é instalada na Praça de Guerra da Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia, que passa a ser utilizada como Quartel de Artilharia. Em 1897, a Brigada é transformada no Regimento de Artilharia Nº 6 (RA6), cuja organização tem lugar em Penafiel; na Serra do Pilar estão aquarteladas Baterias Destacadas. Em 1899, o RA6 é reorganizado e muda de número, passando a designar-se por Regimento de Artilharia Nº 4 (RA4), do qual fazem parte as duas Baterias Destacadas na Serra do Pilar.</p><p style="text-align:justify;"><br>Com a organização do Exército de 1901, o RA5 de Elvas é dissolvido e organizado um novo RA5 (artilharia montada) em Viana do Castelo no início de 1902, cujo 2º Grupo fica sediado na Serra do Pilar e no qual são integradas as duas Baterias Destacadas oriundas do RA4.</p><p style="text-align:justify;"><br>Em 1911 há uma nova organização do Exército, que estabelece a formação do RA6 com sede em Vila Nova de Gaia, tendo como núcleo o 2º Grupo do RA5. Este RA6 é considerado a proveniência direta do atual RA5. Em 1926, muda de número passando a designar-se RA5, para no ano seguinte chamar-se Regimento de Artilharia Ligeira Nº 5 (RAL5). Em 1939, é transformado no Regimento de Artilharia Pesada Nº 2 (RAP2), tendo em 1975 mudado a designação para Regimento de Artilharia da Serra do Pilar (RASP), para em 1993 assumir a atual designação. </p><p style="text-align:justify;"><br>No âmbito da Reforma “Defesa 2020”, o RA5 foi transferido para Vendas Novas, tendo entrado em funcionamento nas instalações da ex-Escola Prática de Artilharia (EPA), no dia 01 de agosto de 2014.</p><p style="text-align:justify;"><br>O comando do RA5 está instalado no Palácio das Passagens, infraestrutura mandada construir em 1729, por D. João V, por ocasião do casamento do príncipe do Brasil (futuro Rei D. José I) com a princesa espanhola D. Mariana Vitória de Bourbon, e o príncipe das Astúrias (o futuro rei espanhol D. Fernando VI) com a princesa portuguesa D. Maria Bárbara, servindo para nele pernoitar e descansar a família real e comitiva, quando se dirigiam à fronteira do Caia, a fim de realizar a troca de princesas e, depois de efetuados os casamentos, no seu regresso a Lisboa.</p><p style="text-align:justify;"><br>Por decisão de El-Rei D. Pedro V, cerca de um século depois da criação do Palácio, em 28 de dezembro de 1857, começaram os estudos e os trabalhos que levariam à criação da ex-EPA. Em 1860, começou a funcionar o novo estabelecimento de instrução prática da Artilharia Portuguesa, sendo a EPA criada oficialmente em 18 de março de 1861, desativada em 1 de outubro de 2013 e extinta em 1 de janeiro de 2015, devido à criação da Escola das Armas.</p><p style="text-align:justify;"><br>Em 01Out14, o RA5 deixou de estar sob o comando da Direção de Formação do Comando de Instrução e Doutrina (CID) e passou para a dependência hierárquica do Comando das Forças Terrestres (CFT), sob comando da Brigada de Intervenção (BrigInt). </p><p style="text-align:justify;"><br>É herdeiro do património histórico do RA4 (Porto, extinto em 1829), do Grupo de Artilharia de Montanha Nº 2 (Amarante, extinto em 1927), do RAP1 (Sacavém, extinto em 1967), do RAL5 (Penafiel, extinto em 1975) e do Grupo de Artilharia Contra Aeronaves N.º 3 (GACA3) (Espinho, extinto em 1975).</p>38.678535, -8.456795265809800265809898Avenida da República, 7080-099 Vendas Novas, Portugal <p><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/01red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/02red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/03red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/04red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/05red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/06red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/07red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/08red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/09red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /><img src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Galeria%20de%20Imagens/10red.jpg" alt="" style="margin:5px;" /> </p>

 

 

BrigInthttps://www.exercito.pt/pt/quem-somos/organizacao/ceme/cft/brigint/ra5/BrigIntBrigIntRA5 Regimento de Artilharia Nº5L0|#0f3f44a70-5f81-42ee-8e13-75fcbd7eeddf|CEME:CFT:QG BrigInt:RA54<img alt="" src="http://assets.exercito.pt/SiteAssets/RA5/Brasao_RA5/Cart%c3%a3o_RA5.png" style="BORDER:0px solid;" />

Exército Portugues
Iremos até onde a Pátria for,
e seja em paz,
ou seja em guerra,
que este clamor
vibre imortal,
de mar em mar,
de serra em serra:
Portugal! Portugal! Portugal! 

Hino do Exército, 1945,
Letra de Adolfo S. Muller
© Exército Português 2018